GPER Grupo de Pesquisa Educação e Religião. Formação Docente e Educação Religiosa.

Agenda

Eventos que iniciam hoje - 30/05/2017

    • Shavuot (Judeu)
    • A essência deste dia tem a ver com uma nova chance. E quão mais profunda é uma segunda chance. A segunda edição da Torá era muito mais especial pois já trazia em si a marca da vida - dos erros em busca de acertos. Trazia a marca do perdão que nada mais é do que um carinho revestido de advertência e responsabilidade.A segunda subida de Moisés para receber a Torá não é mais tão longa pois a distância entre o céu e a terra havia diminuído. Com o perdão há um noivado. Há um compromisso que quer aprofundar relações. Por isto talvez digam os sábios que as letras do mes de Elul são as iniciais da frase ani le-dodi ve-dodi li (eu sou para meu noivo e ele é para mim) no Cântico dos Cânticos.O processo de perdoar é algo distinto de tudo que experimentamos. Há um movimento de confiança e de aprofundar das relações que é temível e amoroso. Como uma atração forte nos faz temer e nos embevece ao mesmo tempo. Quantas vezes na festinha o menino cruza olhares buscando convidar para uma dança… mas o temor é absurdo na proporção da ternura sentida. Estes são os Dias Temíveis - dias de reconhecer no Criador o desejo de estar mais próximo de nós e o quanto nos é difícil dar o primeiro passo. Convidá-Lo(a) a dançar exige coragem.Na verdade, o processo de Tshuvá (retorno) - de flertar com a vida e dar passos no sentido de dançar com ela - é um breve momento. Entre o adolescente que sai frustrado sonhando com a dança não dançada, sofrendo por ter deixado escapar o que poderia ser mágico e o que sai nas nuvens por ter se permitido, se entregado, ao movimento de sim pedir para dançar há uma distância de uma Tshuvá. Mesmo a negativa ao convite é muito mais próxima da satisfação do que da frustração de não tê-lo feito. É este momento de querer dançar mais do que nada, de se entregar é que é a Tshuvá. É este ato que instaura saúde e alegria.Perguntou o Rebbe de Kotzk certa vez a seus discípulos: "Qual é a distância entre o Ocidente e o Oriente?" Ao silêncio dos mesmos o Kotzker rebbe concluiu: "um simples dar-se volta!".Tshuva não é o acerto concluído, mas o simples dar-se volta - shuva - e você terá deixado o Ocidente e se encaminha para o Oriente. A orientação é tudo que importa… não interessa aonde você está, em que fase do caminho.Este momento de tomar a iniciativa da dança, este dar volta é identificado melhor pela pergunta - o quanto te dói?. Tshuva, o dar-se volta depende deste sentimento. Quando fazemos algo de errado a pergunta não é se você se dá conta que errou mas se acaso te dói que você magoou? É esta a pergunta do chassid quando lhe dizem "eu te amo"… "acaso você sente a minha dor", ao ouvir uma resposta negativa ele conclui: "então você não me ama!"Saber amar é saber o quanto dói. Seja amar a si ou a um outro. E qual a natureza desta dor? Quando fazemos algo mesmo que sem querer… quando queremos respeitar um shabat e acabamos fazendo algo impróprio? Quanto te dói. Se você come algo e descobre depois que era feito de alguma substância imprópria… Tudo bem, você não sabia… mas quanto te dói. Ou o aniversário que você esqueceu… ou o jantar que você mais uma vez perdeu… quanto te dói? Ou a chance de descanso que escapou… ou a falta de coragem de ter negado… ou a repetição de um padrão de reação… ou o medo que ressurgiu… quanto te dói? Ou a possibilidade perdida de ter ajudado… ou a indiferença já expressada… a festa não ida… a viagem não feita… a experiência não vivida… quanto te dói?Sentir a dor por si ou por outros é estar conectado a vida. Mas porque nos tornamos então insensíveis à dor? Porque a própria natureza da dor é que "dói". Dar a volta é simples como é complicado. Pois a dor é uma manifestação de reconhecimento de desconforto. E é claro, preferimos não ter este reconhecimento.Dar a volta implica em mudar direções. Implica em perceber leituras erradas da vida e preferimos os analgésicos. Aprendemos a medicar os sintomas e nos sentimos novamente sem dor. Achamos assim que poderemos dar voltas sem desconforto. Preferimos o desconforto não sentido e queremos negar-lhe a condição de ser uma realidade. Optamos por fugir.A verdade é que ninguém gosta de sentir dor. Mesmo o nosso sistema nervoso produz endorfina para tentar neutralizar a dor desnecessária. Mas quem mais se fere com a dor é nosso ego, nossas ilusões.A dor acumulada se transforma em algo insuportável e rompe-se com a possibilidade de se sentir dor. Mas o Baal Shem Tov alertava: em nosso julgamento final vão mostrar-nos dois enredos - um de nossa vida real e outro da pessoa que podemos ser - se os dois se superpõe perfeitamente, esta é a experiência do céu. Caso contrário, esta constituido um inferno.Dizia o Rabino Wolf de Zlotchev:Tenho um único temor diante do Tribunal Celeste. Se me perguntarem "Porque não aprendeste tudo que poderias ter aprendido?" e poderei responder "porque não fui dotado de grande inteligência". Ou se me perguntarem "porque não ofereceu mais alegria nos serviços religiosos a teu D&39;us?" e responderei "porque não tinha mais força física!". Ou se perguntarem "porque não contribuiu mais com a caridade e a tsedaka?" e direi "porque também tive uma vida de privações". Por fim prevejo que um juiz furioso me fará a derradeira pergunta: "Há algo que não compreendo: não tens vivido, não tens orado e não tens estudado como deverias, e de onde vinha tanto orgulho?"O orgulho é a pior forma de enfrentar a dor. O orgulho é um intensificador de dor. É a humildade que nos oferece um caminho onde a dor é suportável, ou melhor, parte já embutida do movimento ou da existência.Rosh Ha-shana é o dia de reconhecer o caminho da humildade como a forma mais sadia de viver-se a vida. Toda a propaganda conclamando à fama, ao sucesso, às realizações e ao darmos importância a poder e possessão deveria vir com a advertência - o orgulho faz mal à saúde. O orgulho nos faz apavorados da possibilidade da dor.O orgulhoso toma morfina, o humilde aprende um mecanismo de si mesmo que é, ao surgir da dor, colocar a mão sobre o local doído. No sentido fisiológico ativamos assim um sistema nervoso que permite a este estímulo chegar antes da dor. Com a produção de endorfina a dor é em muito neutralizada e se torna suportável. Colocar a mão no local doído e com isto reduzir a dor é também possível na esfera espiritual pois é como um chamado, um alerta para despertarmos o lugar de onde o desconforto emana.A humildade é a sabedoria de não tomar às mãos o que não lhes pertence. Este é o grande efeito terapêutico do Rosh Ha-shana - lembrar-nos (Iom ha-Zikaron, dia da Recordação) de que D&39;us é soberano sobre a realidade (Malchuiot). Tornando-nos um pouco mais sensíveis a este fato, diminuímos a dor ao reduzirmos expectativas e ilusões.Dá-te volta. Não tem medo da dor e tire a vida para dançar.

      Fonte: Netsach


Eventos que estão em andamento

    • Ramadã - início (Mulçumano)
    • 27/05/2017 a 25/07/2017
    • Ramadã é o nono mês do calendário islâmico, e existem várias razões pelas quais é considerado importante: O Alcorão foi pela primeira vez revelado durante este mês Os portões do Céu estão abertas Os portões do inferno estão fechadas e os demônios são encadeados até no inferno. O Alcorão revelou "O mês do Ramadão, em que foi revelado o Alcorão, orientação para a humanidade e evidências para a orientação e o critério (entre certo e errado)" [al-Baqarah 2:185] A própria noite em que o Alcorão foi revelado ao profeta Muhammad é chamado Lailat ul Qadr, e ficar em oração sobre esta uma noite é dito ser melhor do que mil meses de culto. Ramadan é frequentemente chamado "mês do Alcorão &39;devido a isto, os muçulmanos e tenta recitar como grande parte do Alcorão que possam durante o mês. A maioria das mesquitas irá recitar um trigésimo do Alcorão cada noite durante o Taraweeh orações. Práticas EspeciaisHá uma série de práticas especiais que só são feitas durante o Ramadão. O jejum do mês inteiro longo Embora muçulmanos rápido durante outras épocas do ano, Ramadan é o único momento em jejum, ou sawm, é obrigatória durante todo o mês, para cada poder muçulmano. Ramadan é destinado a aumentar a auto-controlo em todas as áreas, incluindo os alimentos, dormir, sexo e do uso do tempo.

      Fonte: BBC


    • Ano Novo chinês (chinês) - 28/01/2017 a 15/02/2018
    • 28/01/2017 a 15/02/2018
    • O Galo tem a característica de ser impulsivo, então tenha cuidado para não tomar decisões precipitadas. Pense muito antes de fazê-las e, se possível, conte aos seus amigos e familiares sobre os seus planos. Eles irão te ajudar a optar pelo caminho correto.Será um período que apresentará também muita criatividade, imaginação e a vida social bem abalada. Se prepare para diversos convites de festas, encontros e shows. Não se espante se coisas que você nunca fez antes, de repente, parecerem interessantes em 2017, pois essa fase promete ser ideal para mudar.

VOLTAR

« Maio 2017 »
DomSegTerQuaQuiSexSáb
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031
Legenda:
Eventos em andamento
Eventos iniciando
Sem eventos
Data atual
Data selecionada